Sobre Nós

Com o espírito de inovação e movidos pela necessidade de algum organismo nos representar, informar e defender, um grupo de Assistentes Operacionais de vários hospitais espalhados pelo país, resolveu dar início a este projeto em finais de setembro de 2017. 

Apesar de diversas adversidades, foi publicado no Boletim de Trabalho e Emprego Nº 46 de 15 de dezembro de 2017, sendo que, se seguiu um período de cerca de 2 meses até que pudéssemos ter começado a trabalhar em pleno.

Desde 2009 que nos vem sendo negada toda e qualquer carreira. Dada a especificidade das funções que nos são confiadas diariamente, pretendemos reverter a situação, e resolver de forma cabal a questão profissional dos nossos associados. 

Numa altura em que todos sentimos que o sindicalismo se encontra em notória queda, decidimos dar início a este projeto com plena consciência desse facto.
Apesar de ser um direito dos trabalhadores consagrado na constituição, a verdade é que o sindicalismo tem vindo a sofrer cada vez mais de desinteresse por parte dos trabalhadores…
Modo geral os sindicatos tal como os conhecemos, optaram há muito por encetar formas de reivindicação tendo como única forma de luta (como lhe chamam) paralisar a força produtiva dos seus representados. Os resultados estão à vista… pelo menos na nossa classe profissional nada do que possa ter sido feito trouxe resultados.
Não pretendemos com esta afirmação desvalorizá-los, estamos certos que muitas das condições de trabalho que hoje temos é a eles que devemos agradecer. Porém continuam a agir da mesma forma de há 40 anos atrás… Não evoluíram, ficaram parados no tempo, não tendo acompanhado a evolução das mentalidades e dos desafios que o progresso trouxe.
Da mesma forma que atualmente nos são exigidas mais qualificações e maior empenho no nosso trabalho, entendemos que um sindicato deve ser capaz de acompanhar esses desafios com o mesmo nível de exigência.

De alguma forma sentimos que a nossa classe não está contente com a forma como têm sido acauteladas as nossas justas aspirações enquanto trabalhadores, não podemos, no entanto, condenar o sindicalismo, mas sim a forma como ele tem sido praticado pelos sindicatos ditos tradicionais.

Neste seguimento surge o SITAS, um sindicato dedicado em exclusividade aos Técnicos Auxiliares de Saúde – uma classe que viu de um dia para o outro a sua carreira completamente sonegada. Auxiliares de Ação Médica que acordaram Assistentes Operacionais sem descrição de funções e consequentemente com as carreiras estagnadas.
Uma situação que se mantém desde janeiro de 2009 e decorridos 11 anos nada do que possa ter sido feito pelos atuais sindicatos surtiu qualquer efeito…

Se as formas de negociação (se é que as houve…) nada de novo trouxeram nestes 11 anos, chegou, pois, a altura de arregaçarmos as mangas e termos um sindicato só nosso! Feito por nós – para nós Técnicos Auxiliares de Saúde!
Desde 2017 que a intervenção do SITAS produziu o seguinte: 

6 Propostas de Lei à Assembleia da República para aprovar a carreira de Técnico Auxiliar de Saúde. 
12 Propostas de Alteração aos Orçamentos de Estado de 2019; 2020: 2020 – Suplementar e 2021.
Desbloqueio do processo de RVCC.
Subscrição do Acordo Coletivo de Trabalho para as 35 horas, e dias de férias.
Mais de 1500 pareceres jurídicos.